Um espaço aberto à opinião desde que respeite a opinião dos outros.

02
Out 07

 


O amigo Trincheiras, voltou a atear o fogo Ecos - Terras Brancas, à volta do Nome "pasquim ", que segundo os dicionários tem o seguinte significado:

  • sátira afixada em lugar público ou posta em circulação clandestinamente;
    jornal ou folheto que difama.

A história, conta como surgiu o "Pasquim", na altura em que não havia edições escritas em papel.

Em conversas com o Director do Brados do Alentejo, muitas das vezes ouvi a expressão, " Vou-me embora, para ir fechar a edição do pasquim ".


Coloquei neste post, uma imagem de um jornal com esse nome e era, um jornal interessante. Este semanário, esteve activo até à década de 90. A última edição, de número 1.072, saiu em 11 de Novembro de 1991.


Portanto, a clandestinidade terminou e o avante, deixou de ser "pasquim". A sátira, ainda continua em jornais e revistas, logo conteúdo "pasquim". Vemos o que certos jornais, publicam em relação a "ALÁ" e que só por isso, podem ser considerados "pasquim", logo qualquer jornal tem momentos de "pasquim". Penso, que os dois jornais pela sua dimensão, deviam terminar com esta história o mais breve possível, a bem da informação local, que merece credibilização e não ser considerada, como aquilo que agora tanto discutem.

publicado por . às 20:02

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.