Um espaço aberto à opinião desde que respeite a opinião dos outros.

28
Mar 08
Para que possamos perceber o que o (...) e os seus militantes, não percebem. Encontrei nos meus arquivos estes documentos, na altura eu até era militante deste partido, mas o congresso era de outro...

Centralismo democrático, lugar de nomes e conceitos

Marx moderno no Século XXI

1. Partido de tipo novo

O centralismo democrático, como conceito e matriz de organização do partido proletário, foi desenvolvido por Lénine na transição dos séculos XIX-XX e exposto em duas obras fundamentais: Que Fazer (1901-02) e Um Passo em Frente, Dois Passos Atrás (1904). Em polémica cerrada contra o espontaneísmo e o economicismo, que limitavam o proletariado à luta por melhorias no quadro do capitalismo, Lénine defende um partido de tipo novo, para disputar a liderança política da sociedade com as restantes classes e assumindo como objectivo o socialismo. Aqui radica a divisão primordial da social-democracia russa em duas correntes: revolucionária (bolchevique) e reformista (menchevique).
Lénine não "inventou" o centralismo democrático a partir de ideias abstractas ou voluntaristas. Tal como Marx, inspirou-se na organização mais avançada do capitalismo, há um século: a grande fábrica, com a sua estrutura vertical e uma disciplina da produção facilmente assimilável pelo proletariado, que com ela se confrontava diariamente, mas estranha a alguns intelectuais.
Nas condições políticas do absolutismo czarista, que favoreciam a dispersão política e organizativa, o centralismo democrático respondeu também a um problema concreto e urgente: a unificação dos diversos círculos social-democratas da Rússia. "Se o partido é um todo, precisa de assegurar o controle sobre os comités locais". Em polémica com os mencheviques, Lénine escreveu: "É verdade, os Estatutos constituem uma desconfiança organizada do partido em relação a todos os seus elementos, isto é, um controle sobre todas as organizações locais, regionais, nacionais e outras".
Estas teses não tinham um alcance meramente russo: elas confrontaram concepções e práticas dominantes na II Internacional, em especial na social-democracia alemã que lhe servia de modelo, onde grupos parlamentares, fracções sindicais e até a imprensa partidária se sobrepunham com frequência ao Comité Central. Lénine bateu-se por um partido político proletário, em demarcação com o "partido dos sindicatos" inspirado no trabalhismo britânico. Nos partidos da II Internacional, o oportunismo (subproduto do imperialismo) explorou os particularismos locais, profissionais e até nacionais entre os trabalhadores, acabando por lançá-los uns contra os outros na fogueira da I Guerra Mundial.
A história deu razão aos bolcheviques: só um partido revolucionário, centralizado e com uma clara perspectiva internacionalista pôde resistir à repressão czarista, à guerra imperialista e conduzir o proletariado ao "assalto dos céus" no vitorioso do Outubro vermelho.
A polémica entre bolcheviques e mencheviques sobre centralismo democrático concentrou-se no célebre Artigo 1.º dos Estatutos, mais tarde uma das condições de admissão dos partidos na III Internacional e que hoje mantemos, no essencial:
"É membro do Partido todo(a) aquele(a) que aceita o programa e estatutos, está integrado(a) numa das suas organizações e paga quota". A formulação deste artigo sofreu alterações ao longo do tempo. O V Congresso da Internacional, já depois da morte de Lénine, acrescentou: "faça parte da organização de base do Partido e nela trabalha activamente, que se submeta a todas as resoluções do Partido e da Internacional". No mesmo espírito, os Estatutos do nosso PCP (R) deram a seguinte redacção ao Artigo 1.º: "É membro do Partido todo aquele que aceita o Programa e Estatutos do Partido e contribui para a sua aplicação, milita numa das suas organizações e nela trabalha activamente, aplica as resoluções do Partido e paga as contribuições estabelecidas" - que podiam ir além da quota.

(continua)

16.º Congresso da UDP
publicado por . às 20:50

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

correio para mim, é aqui ADVALOREM ALENTEJANICES ALENTEJO SAPIENTIA ALTO DA PRAÇA ANABELA SARAMAGO TEMPLO DO GIRALDO ARTESANATO MEU BLOG DE NOTAS JORNAL BRADOS DO ALENTEJO CANO ON LINE CARREIRAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CIDADELA DE ESTREMOZ STAL ESTREMOZ SINTAP CLUBE DE FUTEBOL DE ESTREMOZ CLUBE DE FUTEBOL DE ESTREMOZ JORNAL ECOS ESTOU NA SESTA ESTREMOZ CULTURA ESTREMOZ EM DEBATE no Blogspot ESTREMOZ O FUTURO É HOJE ESTREMOZNET ESTREMOZ SOEIRO ETZ EVENTOS EU TU E O GADANHA GAMBUTAS TEAM GERAÇÃO XXI HOJE APITO EU HOQUEI JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARIA - ESTREMOZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ KONTRA FACTOS E KONTRA FEITOS KRUZES KANHOTO 1 KRUZES KANHOTO 2 LOMOCLUBE DE ESTREMOZ MÃO NEGRA DE ESTREMOZ MÃO NEGRA DE ESTREMOZ O CASTELO NÃO FOGE PICALIMA PLANICÍE DOURADA REVISITAR A EDUCAÇÃO RADIOMODELISMO ESTREMOZ TORRE ESTREMOZ VEÍCULOS CLÁSSICOS ESTREMOZ ZÉ DE MELLO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA DECLARAÇÕES ELECTRÓNICAS DIÁRIO DA REPUBLICA ELECTRÓNICO GOVERNO PORTUGUÊS