Um espaço aberto à opinião desde que respeite a opinião dos outros.

25
Abr 06

Em 1973 os atentados continuam por parte das brigadas revolucionárias contra alvos militares, terminando o braço armado do PCP (ARA) a sua actividade em Maio de 1973

É proclamada unilateralmente a independência da Guiné-Bissau feita pelo PAIGC, em Madina do Boé, no interior do território. A mesma é reconhecida por oitenta países afro-asiáticos e pela OUA.

O governo demite da Função Pública todos os funcionários, que participaram na vigília da Capela do Rato.

- O Partido Socialista publica a sua Declaração de princípios, definindo-se como «radicalmente anticolonialista».
- As direcções do PS e do PCP assinam o acordo sobre o princípio da independência das colónias e da negociação com os movimentos de libertação, sendo esta a primeira vez que os representantes da oposição convergiram em relação à questão colonial.

As deserções nas forças armadas continuam sem distinção de patentes.

Está no ar o espírito de Abril, pois começam as movimentações dos capitães do exercito Português contra a publicação de um decreto-lei, que estabelece a passagem dos milicianos para o Quadro Permanente e desencadeando assim, o protesto dos capitães. Na cidade de Évora, reúne-se o Movimento dos Capitães, onde é assinada uma exposição colectiva por 136 oficiais, mais tarde numa reunião alargada do Movimento dos Capitães, em Lisboa, realizada simultaneamente em quatro locais, onde é coloca a hipótese do emprego da força para derrubar o regime, as reuniões continuam e em São Pedro do Estoril. São discutidos pela primeira vez problemas políticos e marcada, uma nova reunião para Óbidos, em que é eleita uma comissão coordenadora alargada sendo votados os nomes dos generais a contactar pelo movimento – António de Spínola e Costa Gomes.

Entretanto o general Spínola e o general Kaúlza de Arriaga, não chegam a acordo numa acção conjunta para deporem Marcelo Caetano.

Perto do final do ano de 1973, está definida a chefia da estrutura do Movimento dos Oficias das Forças Armadas, em reunião realizada na Costa da Caparica, constituída por Otelo Saraiva de Carvalho, Vítor Alves e Vasco Lourenço

Em 1974, acontece o ultimo atentado das Brigadas Revolucionarias contra o navio Niassa", que se preparava para sair de Lisboa com tropas para a Guiné

Continua a agitação estudantil com manifestações e greves contra a guerra colonial

Marcelo Caetano, desafia Costa Gomes e Spínola a tomarem o poder, tendo os dois generais recusado, entretanto o Movimento dos Capitães reúne-se em Cascais, onde aprova o embrião do futuro programa do Movimento das Forças Armadas

O Governo decreta o estado de alerta em todas as unidades militares do país, receando a movimentação dos oficiais das suas forças militares, pedindo Marcelo Caetano a demissão ao Presidente da República, que não a aceita, o general Kaúlza de Arriaga alerta Américo Tomaz, para a gravidade da situação política e militar.

E, começa a cheirar a revolta de verdade, quando, em 16 de Março de 1974 o Regimento de Infantaria da Caldas da Rainha avança sobre Lisboa, após a detenção do comandante e demais oficiais superiores da unidade, no entanto por falta de apoio os militares regressaram à unidade rendendo-se, foram presos cerca de duzentos militares, aqui nasceu o embrião da revolução dos cravos.

Após esta tentativa de golpe de Estado o governo em comunicado garante que «reina a ordem em todo o país».

Na ultima reunião clandestina da Comissão Coordenadora do MFA. O golpe é marcado para a semana de 20 a 27 de Abril. O general Costa Gomes aconselha o general António de Spínola a não participar no golpe de Estado militar então em marcha. O MFA derruba o regime através de um golpe de Estado, abrindo caminho ao imediato fim da guerra em África, à descolonização e à democratização do país, foi apresentada ao País a Junta de Salvação Nacional, composta por sete oficiais-generais.

 

Comunicado Oficial do Movimento das Forças Armadas

 

Considerando que ao fim de 13 anos de luta em terras do Ultramar, o sistema político vigente não conseguiu definir, concreta e objectivamente, uma política ultramarina que conduza à Paz entre os Portugueses de todas as raças e credos;

Considerando o crescente clima de total afastamento dos Portugueses em relação às responsabilidades políticas que lhes cabem com cidadãos, em crescente desenvolvimento de uma tutela de que resulta constante apelo a deveres com paralela denegação de direitos;

Considerando a necessidade de sanear as instituições, eliminando do nosso sistema de vida todas as ilegitimidades que o abuso do Poder tem vindo a legalizar;

Considerando, finalmente, que o dever das Forças Armadas é a defesa do País, como tal se entendendo também a liberdade cívica dos seus cidadãos;

O Movimento das Forças Armadas, que acaba de cumprir com êxito a mais importante das missões cívicas dos últimos anos da nossa História, proclama à Nação a sua intenção de levar a cabo, até à sua completa realização, um programa de salvação do País e da restituição ao Povo Português das liberdades cívicas de que tem sido privado.
Para o efeito entrega o Governo a uma Junta de Salvação Nacional a quem exige o compromisso, de acordo com as linhas gerais do programa do Movimento das Forças Armadas que, através dos órgãos informativos será dado a conhecer à Nação, de no mais curto prazo consentido pela necessidade de adequação das nossas estruturas, promover eleições gerais de uma Assembleia Nacional Constituinte, cujos poderes por sua representatividade e liberdade na eleição, permitam ao País escolher livremente a sua forma de vida social e política.

Certos de que a Nação está connosco e que, atentos aos fins que nos presidem, aceitará de bom grado o Governo militar que terá de vigorar nesta fase de transição, o Movimento das Forças Armadas apela para a calma e civismo de todos os portugueses e espera do País adesão aos poderes instituídos em seu benefício.

Saberemos, deste modo, honrar o passado no respeito pelos compromissos assumidos perante o País e por este perante terceiros. E ficamos na plena consciência de haver cumprido o dever sagrado da restituição à Nação dos seus legítimos e legais poderes.

 

          

textos adaptados e imagens de portugalcen, guerracolonial, jornalismo portonet, Vidas Lusofonas , História aberta, Presidência da Republica, SIS, Tuwalkin )

 

 

publicado por . às 01:04

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

correio para mim, é aqui ADVALOREM ALENTEJANICES ALENTEJO SAPIENTIA ALTO DA PRAÇA ANABELA SARAMAGO TEMPLO DO GIRALDO ARTESANATO MEU BLOG DE NOTAS JORNAL BRADOS DO ALENTEJO CANO ON LINE CARREIRAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CIDADELA DE ESTREMOZ STAL ESTREMOZ SINTAP CLUBE DE FUTEBOL DE ESTREMOZ CLUBE DE FUTEBOL DE ESTREMOZ JORNAL ECOS ESTOU NA SESTA ESTREMOZ CULTURA ESTREMOZ EM DEBATE no Blogspot ESTREMOZ O FUTURO É HOJE ESTREMOZNET ESTREMOZ SOEIRO ETZ EVENTOS EU TU E O GADANHA GAMBUTAS TEAM GERAÇÃO XXI HOJE APITO EU HOQUEI JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARIA - ESTREMOZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ JOSÉ GONÇALEZ KONTRA FACTOS E KONTRA FEITOS KRUZES KANHOTO 1 KRUZES KANHOTO 2 LOMOCLUBE DE ESTREMOZ MÃO NEGRA DE ESTREMOZ MÃO NEGRA DE ESTREMOZ O CASTELO NÃO FOGE PICALIMA PLANICÍE DOURADA REVISITAR A EDUCAÇÃO RADIOMODELISMO ESTREMOZ TORRE ESTREMOZ VEÍCULOS CLÁSSICOS ESTREMOZ ZÉ DE MELLO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA DECLARAÇÕES ELECTRÓNICAS DIÁRIO DA REPUBLICA ELECTRÓNICO GOVERNO PORTUGUÊS